terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Tive zero na Oral

Uma vergonha, um ultraje, um crime, uma calamidade. Uma facada no ego.

A parte boa é que aquilo vale praticamente zero, e, embora não me faça sentir melhor, mais de metade  do ano foi corrido a zeros.

O objectivo da oral era indicar meia dúzia de estruturas básicas perante o professor mais intimidante e horripilante que esta faculdade já teve o desprazer de contratar.

Assim, vai a minha pessoa descansadinha da vida para o laboratório de Anatomia, e o professor diz, na voz típica de quem está enjoado de ver corações a manhã toda, para começar a ler o cartão e a despachar as estruturas, que isto de avaliar miúdos com a mania que são talhantes a manhã toda é uma chatice.

Aponta a primeira estrutura bem, aponta a segunda e a terceira, aponta ainda a quarta, e chega ao Ventrículo Direito. Aqui a burra faz asneira à primeira e aponta ligeiramente mais à esquerda do que deve.

"Tem a certeza?" - Diz ele a olhar de lado para mim.

Recomponho-me, começo a tremer que nem varas verdes, engulo em seco, e vamos lá recomeçar.

"É nesta zona" - E aponto, desta feita, correctamente.

Sorriso amarelo, rejubilo na cara do homem. 

"Desculpe lá, mas você continua aí a apanhar um pouco do septo. Tem zero. Pode ir embora. Bom fim-de-semana e boa sorte para o exame" - Sorriso ainda mais amarelo.

Fiquei com cara de estúpida, branca que nem cal, e com o coração a escorregar nas mãos, a olhar para ele. Ainda tentei refutar, mas o homem fez de conta que eu nem existia e disse, naquele tom anasalado de quem tenta evitar o cheiro a putrefaccção: "PRÓXIMO". Aquilo mais parecia uma caixa registadora.

Ponto número 1: Detesto que me tratem por você. Não é preciso esfregarem na minha cara que já tenho 21 anos e que caminho para a terceira idade. Eu tenho bem noção das coisas.

Ponto número 2: Declaro aberta, a partir deste momento, guerra com o senhor "não me toques que me desafinas". A minha guerra prende-se por fazer a melhor apresentação de trabalho que ele já teve e oportunidade de assistir na próxima sexta-feira e por seguir a especialidade de Cardiologia . Tudo bem, já estou a exagerar, mas adorava ter o prazer de chegar à beira dele daqui a 10 anos e esfregar-lhe na cara um "Tome lá, deu-me zero no segundo ano de Medicina, e agora olhe lá para mim toda importante nesta especialidade."

Espera por mim, Cavaco, tu espera...

4 comentários:

  1. Isso demora muito tempo. Não não não. A melhor guerra que lhe podes fazer é mesmo furar-lhe 2 pneus do carro :P

    ResponderEliminar
  2. Zero é falta de amor pelos seus estudos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar